Parabéns, Guterres!

Venceu a competência. Perderam os jogos de bastidores.

O homem certo no lugar certo. O fazedor de soluções.

Uma esperança de humanidade num mundo que parece ter esquecido o que é o ser humano.

Como tão bem disse Ana Gomes: “Não é num momento que se muda o mundo, mas há um momento em que começa a mudança”.

Parabéns, António Guterres. E boa sorte!